Márcio Gomes

Santo de Lima, mais conhecido por Santolima, era morador do largo do Riachuelo em 1934, tendo sido um dos fundadores, juntamente com a família Toschi, da Escola de Samba Turunas do Riachuelo. Em 1974, ele criou em nossa cidade o grupo Bacharéis do Sambacuja primeira formação era: Santolima (voz), Augusto Jamelão (voz), Waltinho (tamborim), Nilton Cocada (cavaquinho), Quinzinho (surdo), Toninho Cabeleira (pandeiro) e Manoel (cuíca). Enfrentando problemas de saúde, Santolima se afastou do grupo e passou o comando para Nilton Cocada. Em 1976, com a saída de Toninho Cabeleira, o grupo passou a contar com a participação de Paulo César Calichio, o Coração, ex-integrante do conjunto Black Samba Show. A formação do grupo passou a ser então a seguinte: Nilton Cocada (cavaquinho), Quinzinho (surdo), Zezé do Pandeiro (voz e tamborim), Waltinho (pandeiro) e Paulinho Jalão (voz). A primeira participação de Coração aconteceu no dia 28 de outubro de 1976 em uma exposição agropecuária na cidade de Rio Preto. Posteriormente o grupo passou a contar com a participação de Nelsinho e sua cuíca.

Em meados da década de 1980 (por volta de 1985/1986), Nilton Cocada se afastou do meio musical e Quinzinho passou a ser cavaquinista do grupo. Márcio Sapinho ingressou no grupo como surdista por um período, sendo substituído posteriormente por Davi Chaves. Após várias formações, o grupo conta atualmente com Coração (voz e reco-reco), Nelsinho (voz e pandeiro), Cézar Ferreira (violão de sete cordas), Alexandre (cavaquinho) e Miguel Lobo (surdo).

Em seus 40 (quarenta) anos de atividade, os Bacharéis do Samba desenvolveram intensa atividade musical em Juiz de Fora e região, sendo com certeza um dos grupos mais antigos em atividade no Brasil. Entre seus mais importantes trabalhos podemos citar a participação, em 1982, no LP “Samba-Enredo em Juiz de Fora”, produzido pela Funalfa, com a direção artística de João Medeiros Filho, no “Projeto Documento Som Juiz de Fora III”. Merecem destaque também apresentações ao lado de importantes nomes do samba em nível nacional, como Roberto Ribeiro em 1980 (na praça de Santa Luzia); Zeca Pagodinho em 1989 (show no Real Grandeza, quando participaram Coração no reco-reco, Nelsinho na cuíca, Afonso no cavaquinho, Jorge Barbanache no violão e Davi Chaves no surdo); Jovelina Pérola Negra também em 1989 (no Real Grandeza); Dona Ivone Lara e Délcio Carvalho em 1986 (eventos realizados em praça pública pela Funalfa); Marçal, Nei Lopes e Wilson Moreira em 1990 (na Boate Dream’s); Elza Soares, Noca da Portela, Dominguinhos do Estácio e Jorge Aragão em 1991 (na Turunas do Riachuelo); Luiz Carlos da Vila, Tantinho da Mangueira e Walter Alfaiate em 2008 e 2009 (no Bar da Fábrica), além de muitas outras. De 1986 a 1992 fizeram diversas apresentações em toda a Zona da Mata ao lado do cantor e compositor Luiz Ayrão. Em 1999, o grupo apresentou-se por três vezes na Escola de Samba Portela, no Rio de Janeiro, durante o processo de escolha do samba-de-enredo daquela agremiação para o carnaval de 2000, com a seguinte formação: Coração (voz e reco-reco), Agmar (tantan), André Cajarana (voz), Robson Marques (pandeiro), Wendell (teclado), Etiene (contrabaixo), Moacir (cavaquinho) e Ângelo (bateria). Foram, portanto, centenas de apresentações em praças públicas, exposições agropecuárias, teatros, casas noturnas e agremiações carnavalescas, não só em Minas Gerais, mas também em diversas cidades do estado do Rio de Janeiro.

Por seu intenso trabalho de divulgação e preservação do samba, os Bacharéis do Samba são merecedores dos nossos aplausos.