Bloco do Beco 2005

Enredo: Os Sete Samurais

Trazendo a alegria no olhar e cantando para não chorar, Mamão, o maestro Bloco do Beco está com a lona erguida na praça Antônio Carlos.
A vida é de brincadeira.
A função desse circo só termina na quarta-feira.

O carnaval chegou! Festa magnífica da cultura brasileira. Momento raro na história da humanidade, o maior teatro em movimento a céu aberto do mundo. Festejo brasileiro onde as pessoas são possuídas pelo tal da antropofagia que coloca em êxtase o pensamento e as idéias.

O Bloco do Beco é a encarnação da alegria. No Beco cachaça é água e prefeito é samurai. No Beco, o samba é um bicho de sete cabeças cada uma de uma nota musical. No Beco, sem beber é duro.

O Carioca, nosso amigo gonçalense, sambista por profissão e chaveiro por aptidão, esculpiu com o Tonhão do clube dos chorões, um samba lá para a Porto da Pedra. O Mamão adorou o batuque dos bambas e resolveu botar a galera par apular.

O Modesto perguntou? – Uai, e os Sete Samurais? O Mamão começou a rir.

O Bargento, Sr. luis na macumba, convidou a rapaziada para sua feijoada a mandarim.

“Mais um ano, meu amor, estou aqui”. O Beco vem muito engraçado. O presidente foi substituído por sua esposa, a Rosinha.
E a minha função era apenas dizer que no velho Japão, o samurai servia ao senhor feudal. Era um soldado admirável, centrado e religioso cumpridor de códigos de posturas. Li num Livro. Os Samurais engravatados. Enquanto não engravataram o Lula, ele não ganhou. Pois é, eles usam gravatas. E o Bloco do Beco, alucinado, bebe, samba, cai e rola.

Vamos vestir Os Sete Samurais. Eles vão desfilar beijando criancinhas (com a temporada eleitoral). Alegria, muito álcool na goela e samba no pé. Cantando para viver, sambando até quase morrer e levando o Bloco do Beco no fundo do coração.

Samba de Enredo: De novo eu vou deixar cair

Autores: Carioca. Mamão e Tonhão

Eu vou botar pra derreter
Outra vez
O Beco só me dá prazer
Trazendo a alegria ao meu viver
Mais uma ano, meu amor, estou aqui
De novo, eu vou deixar cair

Ah, essa galera me alucina,
Me fascina, e domina
O meu jeito de ser

A massa cantando o refrão
Desperta tanta emoção
Alegria, é a nossa bandeira
O samba, o nosso brasão

Cantando, quero viver!
Sambando, até posso morrer
Levando o bloco do Beco no meu coração