A primeira vez que eu pensei em fazer um trabalho sobre Geraldo Pereira foi, se não me engano, em 1996, quando junto com a músico Cacáudio, fizemos algumas apresentações em bares da cidade e ficou só nisso. Passado alguns anos, em 2004, numa conversa informal com Thadeu e Adriana – velhos amigos e companheiros de palco – a ideia voltou a tona. Seria um espetáculo maior, onde, além de interpretarmos s sua música, falaríamos um pouco sobre a vida desse genial compositor, e também tentaríamos levantar a bandeira para a cidade de Juiz de Fora, prestar uma justa homenagem a esse tão falado filho da terra. Decidimos que não só iriamos interpretar seus sambas como nos foram apresentados, mas também tentaríamos dar uma nova roupagem a essas belíssimas composições. E assim fizemos: não com o intuito de destruir ou modificar sua obra, mas com o propósito de fazer uma releitura de Geraldo Pereira; de mostrar que esse genial compositor continua extremamente atual e possibilita até mesmo transformar seus sambas em jazz, blues, reggae, pop, e por aí vai…

Convidamos o músico Alexandre Laguardia, que se incorporou ao grupo. Diversas apresentações em palcos da cidade e região nos mostraram que gravar esse trabalho era um caminho viável para difundir a obra de Geraldo Pereira. O grupo, que já se apresenta há mais de dez anos, ganhou um nome: Quartitura. E o espetáculo também: Geral do Geraldo. E foi isso que registramos neste CD. Poderiam ser vários volumes, dado a extensão e a grandiosidade de Geraldo Pereira. Mais tarde, quem sabe… Knorr

Faixas do CD

1- Escurinho
2- Cabritada mal sucedida
3- Pisei num despacho
4- Chegou a bonitona
5- Escurinha
6- Falsa baiana
7- Acabou o sopa
8- Ministério de economia
9- Pode ser?
10- Só quis meu nome
11- Acertei a milhar
12- Sem compromisso