irmas_barbosa por Márcio Gomes

Nivalda, Regina, Bilinha e Imaculada Barbosa, filhas da bailarina de rancho carnavalesco Maria Francisca da Conceição Barbosa e do sanfoneiro e cantador de calangos João Martiniano Barbosa, têm uma longa trajetória de dedicação ao samba juiz-forano. Nivalda Barbosa iniciou sua carreira como cantora aos quinze anos de idade na antiga Rádio PRB-3, no programa de auditório Soirée Feminina, do apresentador José de Barros; Regina, por sua vez, obteve em 1969, em Belo Horizonte, o prêmio de melhor intérprete em um festival em que defendeu o samba vencedor Adeus Mangueira, de Felisberto Alonso; Bilinha (Emília Maria), aos 17 anos de idade já participava do programa de calouros de Jair de Taumaturgo na extinta TV Industrial, tendo vencido quatro vezes a disputa; Imaculada, que participa com as irmãs do Batuque Afro-Brasileiro de Nelson Silva, onde é a atual solista, foi figura de destaque no espetáculo Beco do Baltazar (1975), com músicas de Armando Aguiar (Mamão).

Todas foram intérpretes de samba-de-enredo em Juiz de Fora e participaram como coristas dos LPs Samba é Povo e JF – Samba – Brasil, além do CD Pedacinhos de Mamão. Em 2005 lançaram, com recursos da Lei Murilo Mendes, o CD Irmãs Barbosa cantam João Cardoso, o Samba em Pessoa. Foram agora, com muito merecimento, as protagonistas do vídeo Irmãs Barbosa, Uma História de Vida, uma iniciativa do grupo Kizomba na Mata e da Universidade Federal de Juiz de Fora. Parabéns a elas, que sempre tiveram o samba de nossa cidade como uma bandeira.