ministrinho_binepor Márcio Gomes

 

A edição 2013 da Lei Municipal de Incentivo Cultural (Lei Murilo Mendes) contemplou três projetos cujo objetivo é homenagear Armando Toschi (Ministrinho) em 2014, ano do seu centenário, e divulgar sua importância para as novas gerações. O primeiro desses projetos, de autoria de Marcos Pimentel, é o documentário “Chama Que Não Se Apaga”, cujo título evoca uma música que o compositor turunense Nilton Santos, o Mestre Cocada, compôs em 1989 homenageando o amigo e parceiro de escola de samba. O documentário trará imagens históricas de Ministrinho gravadas em VHS, apresentando também depoimentos de contemporâneos do mestre, de seus familiares e de sambistas atuais, seguidores de sua obra. Obviamente, por se tratar de um trabalho sobre a vida e a obra de um músico, teremos também muita roda de samba. O segundo projeto é o “Quarteto Visceral Homenageia Armando Toschi”, apresentado por Júnior Sete Cordas, que se propõe à gravação de um CD contendo músicas de autoria de Ministrinho e seus parceiros Biné, Cocada, Juquita, João Vila, Pimpinela, Camarão e Zoquinha, várias delas inéditas, além de sambas compostos em homenagem a ele. Podemos aqui citar Feliz Cidade, de autoria de Roberto Barroso, composto em dezembro de 1996, dias após o falecimento de Ministrinho: na letra Barroso afirma que “é preciso fazer, mesmo em hora mais triste, a alegria acontecer” e que o sambista “mensageiro do amor e da felicidade… viveu com sobra seu papel”. O CD conterá também sambas de Mamão, Carioca, Toinho Gomes, José Iung e Zezé do Pandeiro, evocando o mestre e proclamando que “o samba não pode parar”. O terceiro projeto é “Ministrinho 100 Anos – Shows na Praça”, que fará realizar quatro rodas de samba na Praça Armando Toschi Ministrinho, no bairro Jardim Glória, nos dias 4, 11, 18 e 25 de maio de 2014, mês do centenário do sambista. As rodas de samba, que terão como conjunto base o cantor Roger Resende, o violonista Cézar Ferreira, o cavaquinista Toinho Gomes e Márcio Gomes na percussão, são abertas a todos os músicos que queiram participar e homenagear o mestre.

Os projetos aprovados na Lei Murilo Mendes juntam-se a outras homenagens que serão realizadas pela Funalfa, pela Câmara Municipal, pela Liga Independente das Escolas de Samba de Juiz de Fora e por blocos carnavalescos da cidade, conscientes da importância de Armando Toschi na história da música juiz-forana.